carta-capital-de-28-11-2007.jpg

Leiam na Carta Capital desta semana a matéria “Por linhas tortas”, que fala do I Salão Nacional do Jornalista Escritor, que fala também da qualidade média da imprensa nacional hoje em dia. Entre as fontes da reportagem, está o Eric Nepomuceno, que realmente desceu legal a lenha na imprensa brasileira.

Fala-se também do espaço cada vez menor que é dado à reportagem, o unanimismo dos meios de comunicação nacionais, entre outras. E há uma frase pra lá de interessante do Eric, que passo abaixo:

“Temos, de um lado, leitores mediocrizados e de outro, jornalistas medíocres. Então, dá tudo certo. Se você acostuma o consumidor a tomar leite com soda cáustica, após algum tempo ele vai achar normal. Só que o produto é uma porcaria”

Notaram a sutileza dos adjetivos? “Leitores mediocrizados” foi o que o Eric disse. Portanto, são leitores que sofreram uma ação para se tornarem medíocres. E, pior ainda, acostumaram-se a ser tratados como tal. Portanto, os mesmos leitores que liam coisas interessantes outrora. O que mudou foi a abordagem, em que se passou a dar atenção excessiva para uma minoria de leitores iracundos que mandam mensagens mal-educadas para a redação. Os jornalistas, que quase não trabalham fora da redação, acabaram tendo por padrão esse tipo de leitor e quiseram estender tal avaliação a todo leitor, sendo que esses últimos não escrevem com tamanha freqüência. E nisso, o ciclo ficou completo.

Há também o depoimento de Ricardo Kotscho, também falando do medo que o jornalista tem de ser demitido. Tudo bem que estamos em outros tempos, mas algumas coisas assustam tanto ou mais que nos anos de chumbo. “Ninguém acredita que pode mudar nada. Então, cruza os braços. Nem na época da censura vi comportamento tão medroso nas redações”, conta. E também lembra da vez em que no trainee da Folha desceu uma lenha no próprio jornal e em seu manual, o que lhe rendeu a pergunta de uma estudante sobre eventual medo dele de ser demitido. Sim, meus caros, hoje em dia, jornalista tem medo sim. Não o medo do que está lá fora. Mas o medo do que está dentro. Lembram-se daquela história de que o pior inimigo de um jornalista é outro jornalista? Acho que não é preciso se estender.

E também a reportagem fala do boicote que a própria imprensa faz quando ela é que se torna notícia. “Muitas empresas de comunicação nos ofereceram espaço publicitário e ajudaram a divulgar a idéia, mas depois nos esqueceram na reunião de pauta”. Esqueceram ou foram esquecidos?

Anúncios