Um senhor convalesce no hospital. Septuagenário, continua forte como um touro, mas teve problemas devido a seus muitos anos de cigarro e má dieta. Segue totalmente lúcido e tendo o humor como guia sempre. Chega até a fazer piadas de humor negro com o problema que teve, demonstrando que praticamente nada foi afetado.

Porém, precisa ficar em observação, pois o que o levou ao hospital é grave, ainda que seu estado de saúde esteja bom. Muitas retiradas de sangue são feitas por dia, para fins de análise, sempre por gente da mais simpática, uma raridade se pensarmos que até os melhores centros de saúde tendem a tratar as pessoas como gado. Colhe os frutos do tempo em que diploma superior garantia vida de nababo, fruto do esforço que teve para sair da pobreza em um tempo que o Brasil era país fundamentalmente de ascensão social.

Sem muito o que fazer, trata de ler. Em suas mãos, o livro A Cidade do Sol, de Khaled Hosseini. É uma leitura sempre interrompida pelas muitas entradas de funcionários do hospital.

Chega a hora da coleta de sangue. O “vampirinho”, como são chamados os que fazem isso, é um auxiliar de enfermagem que provavelmente gramou muito para completar o curso técnico. Seus olhos transparecem o esforço que fez.

Vampirinho: E aí, vamos coletar o sangue?

Senhor: Claro. Apenas tome cuidado que minhas veias são difíceis de achar.

V: Puxa vida, mas o senhor já deve estar cansado disso tudo, não?

S: É a vida. O que importa é que fui atendido rápido e estou sendo bem acompanhado.

V: Verdade. Estica o braço. Espera só um pouco e… pronto, já consegui.

S: Ainda bem. Você foi dos poucos que conseguiu de primeira.

V: A Cidade do Sol? É do mesmo autor de O Caçador de Pipas. Preciso ler esse livro.

S: Leu O Caçador?

V: Li inteiro e assisti ao filme. Prefiro o livro, mas fui ao cinema umas duas vezes só para ver o filme. Adoro Khaled Hosseini. Minha mulher que o diga.

S: Gosto muito dos livros dele. Que coisa triste o Afeganistão. Muitas guerras, muita pobreza, fanáticos religiosos, ditaduras.

V: Pois é. E pensar que o Khaled conseguiu escapar de lá. Mas realmente adoro O Caçador de Pipas. Se bem que mudaram algumas coisas no filme em relação ao livro.

S: Eu também vi o filme e concordo contigo.

V: Bom, vai lendo o livro. Agora eu preciso sair.

S: Mas não esqueça de ler A Cidade do Sol.

V: E você acha que vou esquecer?

E o vampirinho segue para tirar mais sangue de outro paciente. Voltará para sua família depois do plantão. Khaled o espera.

Anúncios